A origem dos ingredientes

Imagem 258Pegue uma embalagem de biscoito em sua cozinha e dê uma lida no rótulo. Você conhece a origem e a função de todos os ingredientes? O jornalista americano Steve Ettlinger também não sabia, mas viajou o mundo para descobrir e relatou tudo no livro Twinkie, Deconstructed (Twinkie, Desconstruído, sem edição brasileira). A ideia surgiu durante um piquenique com a família. Seu filho perguntou o que é o polissorbato 60: “Dá em árvores?” Ettlinger não soube o que responder e decidiu descobrir e compartilhar esse conhecimento com outros consumidores. Foi pesquisar a origem de todos os ingredientes do famoso bolinho recheado Twinkie, vendido há mais de 70 anos nos Estados Unidos. Em alguns casos, a origem está em refinarias de química cuja localização é protegida por leis antiterrorismo. Noutros, nas fazendas de milho e soja do Meio Oeste americano. (Ah, sim: o polissorbato 60 de certa forma dá em árvores. Trata-se de um polímero derivado de milho e óleo vegetal. É um emulsificante: faz com que a água e a gordura se combinem. No caso do Twinkie, sua função é substituir a capacidade estabilizante dos ovos e do leite, que ajudam no crescimento das massas).1

De acordo com entrevista concedida à Revista Vida Simples, depois dessa fascinante viagem de descobertas, Steve Ettlinger diz estar mais interessado em alimentos locais e integrais. Ele trabalhou na França como cozinheiro e diz que já conhecia essas opções, ou seja, comida de verdade; mas diz que agora isso é algo que definitivamente, faz parte de sua vida.1

No livro, o autor explora a origem de vários ingredientes e descobre que a maior parte da comida industrializada é feita com ingredientes que vêm de grandes petroquímicas e fábricas de químicos básicos e comenta que 14 dos 20 produtos químicos mais usados nos Estados Unidos fazem parte direta ou indiretamente da receita do bolinho.1

No Brasil, isso não é diferente! A origem dos ingredientes é a mesma. Isso é o que preocupa porque esses alimentos dependem de produtos químicos vindos do petróleo.

Ele diz que comida fresca não dá dinheiro para a indústria alimentícia. Então, a única maneira pela qual eles podem fazer dinheiro é adicionando algo pelo qual se tenha de pagar, como uma embalagem atraente. Veja os flocos de milho. As empresas ganham muito mais vendendo cereais matinais do que vendendo milho. Então, quanto mais nós discutimos e aprendemos sobre isso, pior é para a indústria.1

Por isso, acredito ser essencial conhecer sobre tudo o que comemos. Essa é a ideia da Sabor de Encontro. De fato, tendo um pouquinho mais de informação sobre nossa comida, sem ter de treinar muito, sempre vamos preferir comer uma maçã à uma bobeira dessas.

       

Clique aqui para acompanhar o desafio da comida de imitação.

Entre em contato com a Nutricionista Bruna Menegassi.

Fonte consultada:

Matéria publicada na Revista Vida Simples http://vidasimples.abril.com.br/temas/vida-secreta-ingredientes-421352.shtml

 Para saber mais, leia: Twinkie, Deconstructed – Steve Ettlinger, Penguin/USA.

Você pode gostar também ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Get Widget